O Protesto

José Oiticica

 

Protesto contra o mal da força e da justiça,
Um degrada a fraqueza, outro excita à agressão;
Contra a fé que reduz o homem a alma submissa,
Iludindo-o com céus que nunca se abrirão.

Clamo contra o senhor, clamo contra a cobiça,
Inventora de leis, criadora da opressão.
Sou Spartacus e odeio a pátria se esperdiça
Meu sangue e faz, do suor, esforço hostil ou vão.

Bradam, no meu protesto, os prantos do passado…
Ira acessa de todo um mundo sofredor,
Mártir do amo, do rei, do padre, do soldado!

Sou a nova intuição contra a lei do Senhor;
Sou a ação que destrói a moral do pecado,
Para erigir o orgulho e libertar o amor.

 

Publicado originalmente em “Sonetos”,
Casa Ramalho, Rio de Janeiro, 1919

 

Trabalhadores do Mundo, Uni-vos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.